‘La Casa de Papel’ está a chegar ao fim… mas em Dezembro há mais.

O fenómeno ‘La Casa de Papel’, está hoje, dia 3 de setembro de 2021, de volta para uma primeira parte da 5ª temporada, sendo que a segunda, tem a estreia marcada para 3 de dezembro deste ano. As filmagens já terminaram em maio mas ainda temos de esperar até dezembro para vermos o resto. A gente aguenta.

Este roubo já dura há uns 5 anos, pelo menos para nós, porque como sabemos ele foi planeado durante muitos mais anos pelos nossos criminosos favoritos. De volta para esta temporada estão Úrsula Corberó (Tóquio), Jaime Lorente López (Denver), Pedro Alonso (Berlim), Alba Flores (Nairóbi), Miguel Herrán (Rio), Darko Peric (Helsínquia), Itziar Ituño (Raquel), Esther Acebo (Estocolmo), Rodrigo de la Serna (Palermo) e Luka Peros (Marselha), sendo que os dois últimos chegaram um pouco mais tarde ao nosso gang.

Por esta série estar a chegar ao fim, provavelmente necessito de recordar um pouco o que aconteceu até agora, certo?! Bem me pareceu. Para os mais distraídos e esquecidos, vamos então recordar o que se passou na 4ª temporada.

Para nos situarmos melhor a temporada 4 começa com a luta pela vida de Nairobi, onde os assaltantes tentam operá-la. Com toda esta pressão psicológica sobre o grupo, Palermo começa a ficar cada vez mais explosivo e todo o grupo começa a ser levado pela emoção em vez da razão. De ressalvar que neste momento o Professor encontra-se completamente desorientado, visto que este pensa que foi responsável pela morte de Lisboa, com toda esta confusão e rebelião dentro do grupo, Tóquio assume o comando perante Palermo. Este como sabe de todo o plano, ao ver-se excluído do grupo começa a sabotar todas as operações pois não tem nada a perder.

Palermo é nos dado a conhecer na segunda metade da série e passa de uma personagem que parecia fácil de odiar, para uma personagem que até se chega a ter pena. Isto tudo é nos mostrado através dos Flashbacks do passado entre o Professor, Palermo e Berlim, que já morreu há imenso tempo mas continua a ser uma das personagens mais importantes da série.

Voltando ao “presente”, Palermo num acesso de total loucura solta Gandía, o segurança do Banco de Espanha e a bem ver, o maior inimigo dos assaltantes nesta temporada, se não contarmos com a Agente Sierra (já lá vamos). Este jogo do polícia e ladrão entre Gandía e os assaltantes foi mesmo o ponto alto desta quarta temporada.

A temporada focou-se imenso nas relações entre o grupo e até acaba a haver um triângulo amoroso entre Rio, Estocolmo e Denver, que na minha opinião, foi completamente desnecessário, mais desnecessário que o Arturito… Lisboa claro que não morreu, para nossa alegria. Nairobi morreu mesmo, para nossa imensa tristeza. Porém, a Agente Sierra parece ter sido a única mulher a continuar a ser uma mulher dona de si mesmo, o que deixou de ser o caso de Lisboa, que sem o Professor parece ter-se tornado bastante frágil.

Esta quarta temporada foi muito menos interessante, menos plot twists, mais romance e parece que o Professor perdeu o controlo de tudo (com isso, os assaltantes também), chegando mesmo a ser apanhado pela Agente Sierra e por isso, esperemos que a nova temporada traga um plot twist que faça com que o grupo saía a sorrir deste último assalto, já que não consegue ter ajuda do Professor (esperemos que seja por pouco tempo). Será que vamos já perceber os contornos do final ou irá ficar tudo para dezembro? Mais logo saberemos.

O Fenómeno de ‘La Casa de Papel’

Parece que foi do dia para a noite, lembro-me de ouvir imensas pessoas falarem desta série e nunca pensei que fosse tão boa até começar a ver. Sentia que a série me prendia a querer ver mais e mais episódios, até disse à família lá de casa para verem e até eles (que não são fãs de séries) gostaram imenso. Porém, quase toda a gente diz o mesmo “Alargaram de mais a série.”, por outro lado quase toda a gente a continua a ver.

Esta série é a série em língua não inglesa mais vista de sempre e ganhou o prémio de melhor série dramática nos Emmy International, em 2018. E talvez não ficará por aqui, pois o criador da série, Alex Piña, já fala de spin-offs.

A Minha Casinha (de Papel)

Acabo este post com o vídeo promocional da Netflix Portugal, que conta com a participação dos Xutos & Pontapés a cantar ‘A minha casinha (de papel)’ a bordo de um avião, usando os uniformes dos protagonistas da série, com algumas cenas da mesma pelo meio. No final deste vídeo podemos ver Itziar Ituño, a nossa Lisboa a cantar um excerto da música original dos nossos Xutos. Bem jogado, Netflix Portugal!

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s